Pós-Graduação/MBA Presencial

MBA EM GESTÃO DE SISTEMAS INTEGRADOS EM QSMS/SGI

Cursos de especialização que preparam você para novos desafios na sua carreira.

  • Objetivo

    Capacitar profissionais de qualquer formação acadêmica para fazer a gestão da estruturação, da implementação, da manutenção e da otimização das funções de qualidades, segurança, meio ambiente, saúde ocupacional e responsabilidade social, para quaisquer tipos de naturezas de organizações. Basear a gestão da estruturação, da implementação, da manutenção e da otimização das funções de qualidades, seguranças, meio ambiente, saúde ocupacional e responsabilidade social, nas Normas NBR ISSO 9001:2008, NBR ISSO 1400:2004, OHSAS 18001:2007 e AS 800:2008. Aumentar o nível de empregabilidade de profissionais que desejam procurar novas oportunidades no mercado.

    1 - ASPECTOS HUMANOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE QSMS/SGI

    Abrangência do conceito; Organização Humanizada; Fatores Humanos de Liderança, Competência e Participação das Pessoas, baseados na ISO 10018 (em construção); Prática em Gestão de Pessoas; Comunicação. Clima Organizacional

    2 - ASPECTOS RELEVANTES DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SGI

    Decisão da implantação do SGI; Nomeação do G-SGI; Instalações do SGI; Quais Normas implantar? Análise de custo-benefício, restrições, dificuldades; Etapas da estruturação e certificação do SGI - prática de grupo; Coordenação da elaboração das Informações Documentadas do SGI; Coordenação das auditorias; Custos da implementação de um SGI x Benefícios; Estruturação dos Indicadores de Desempenho do SGI; Objetivos e metas do SGI: desdobramento em Planos de Ação para todas as gerências; Análise da evolução de desempenho: Gestão do SGI; Como vender a implementação de um SGI? Estratégias; Prática: Agrupar itens de preparação para um SGI; Prática: Evidenciar perdas internas e externas devidas à inexistência de um SGI.

    3 - AUDITORIA INTERNA E REUNIÃO DE ANÁLISE CRÍTICA

    O que é / não é auditoria; Requisito da ISO 9001 e da ISO 14001; Diferenças da auditoria de um SGQ e de um QSMS/SGI (abrangência, etc); Importância e objetivos de uma auditoria para SGQ e SGI; Tipologia das auditorias; Norma ISO 19011:2012 - Auditorias; Atributos pessoais dos auditores; Auditores próprios x contratados; Programa de auditorias: escopo, objetivos, frequência, exemplo; Planejamento auditorias; Como o auditor deve atuar: o que pode/não pode fazer; Temor / medo criado pelas auditorias; Importância do auditor bem preparado no objetivo de encontrar NC´s relevantes que sirvam para o fortalecimento do SGQ da empresa auditada, melhoria dos processos e dos resultados; Banalização e difamação de Sistemas de Gestão baseados nas Normas ISO 9001, ISO 14001, OHSAS 18001, etc, devido auditorias que nada identificam, nada agregam de valor para empresa, causando mal-estar na direção, sabedora de inúmeros problemas, diariamente - muitos dizem: “ISO 9001 não serve para nada”; Que culpa recai sobre essas Normas, suas auditorias, RAC´s, se houver indisciplina quanto ao cumprimento de práticas e procedimentos nas empresas, se houve by-pass de gerentes, de funções, de atribuições?? Nenhuma! Não-conformidades: quando aplicar/não aplicar; como evidenciar; como relatar; Classificação das NC´s; Dicas para os auditados; Certificação: processo e custos; Reunião de Análise Crítica: Definição e finalidade; Relação com o ciclo PDCA Requisito da ISO 9001, da ISO 14001 e da OHSAS 18001; Mitos e verdade sobre auditorias e reunião de análise crítica; Atribuição e utilidade; Participantes; Entradas; Processo de análise; Saídas; Planos de Ação;

    4 - DOCUMENTAÇÃO DE QSMS/SGI:ELABORAÇÃO DE PROCEDIMENTOS

    Apresentação do módulo; Introdução sobre o que é um Sistema de Gestão ? Sistemas de gestão: ISO 9001 / ISO 14001/ OHSAS 18001; O que é um SGI - Reforço da conceituação visando definição dos documentos principais; Finalidade da integração dos Sistemas; Quantas Normas podem fazer parte de um SGI? O que é um Manual do SGI; Analogia com o Manual do SGQ Estrutura do Manual; Elaboração do Manual; Cuidados com o escopo, com a eliminação de itens, com a forma de escrever / atender aos itens das Normas (são 3, as básicas de um SGI); Limitações do nº de folhas, para não ficar extenso demais, mesmo para 3 Normas. Como incluir todos os principais itens da 9001, 14001 e da OHSAS 18001, sem haver repetições. Correlação das normas dentro do Manual - Quadro de correlação dos itens das 3 principais Normas, visando elaboração do MSGI e demais documentos. Apresentação dos principais PGs, em função das exigências das 3 Normas, aonde existe o verbo DEVE para procedimentos documentados Exemplificação de PGs e POs; principais itens, índice ou sumário, formatação adequada, links com o MSGI (Falar do link com a Lista Mestra de Documentos, Internos e Externos) Elaboração de PGs, POs e ITs; detalhes importantes na elaboração e no controle desses documentos, pelos RD´s, visando não ocorrência de Não Conformidades nas auditorias - citar exemplos de NC´s que mais ocorrem Papel do RD no controle da documentação do SGI - importância do PG sobre Controle de Documentos (Normalmente, o primeiro deles), que define toda a engenharia da documentação. Apresentação item a item. Papel do RD na disponibilização dessa documentação para todos, em articulação com a TI, na atualização, após auditorias e melhorias; Controle de cópias, de documentos vigentes, obsoletos e cancelados: como fazer cada um? Atentar para o quê diz o PG de Controle de Documentos e Registros (lembrar dos 6 verbos, praticados nos finais dos PG´s e PO´s e/ou na Lista Mestra de Documentos)

    5 - GERENCIAMENTO DA PREVENÇÃO E ANÁLISE DE RISCOS E DA INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES

    Evolução histórica: Da prevenção de lesões à segurança de sistemas; Conceituações básicas; Risco, Potencial de Risco; Acidente; Incidente / Quase acidente; Perigo, etc; Relação da Norma OHSAS 18001:2007 e o Gerenciamento da Prevenção e Análise de Riscos: Itens pertinentes / Introdução à ISO 39000: 2009; Gerenciamento da Prevenção e Análise de Risco: O quê é? Do que trata? A empresa como um sistema, subsistemas empresariais. Natureza dos riscos empresariais, riscos puros e especulativos, outras classificações; Mapeamento de riscos: O quê é? Importância? Como é feito? Importância dos fundamentos estatísticos para a análise de riscos / conceitos de probabilidade e confiabilidade, sob a ótica estatística, para aplicação à segurança do trabalho - exemplos / práticas Tipos de Falhas Avaliação de riscos - Análise Preliminar de Risco - O quê é ? Importância? Como fazer? Registros (planilhas) utilizados para execução - Normas pertinentes: ISO/TEC 3010:2009 / QSP 31000/2010 Análise do Modo de Falha: O quê? Como fazer? Importância? Registros (planilhas) utilizados para execução / Análise de Árvore de Falha Análise de Modos de Falha e Efeitos (AMFE) ou Failure Modes and Effects Analysis (FMEA) Técnicas para Identificação de Perigo / Técnica de Incidentes Críticos (TIC) / Análise e Revisão de Critérios (ARC) Técnicas de Análise de Riscos Análise Preliminar de Riscos (APR) ou Análise Preliminar de Perigos (APP) ou Preliminary Hazard Analysis (PHA): O quê é? Importância? Como estruturar e implementar? Registros ou planilhas necessárias? Análise de Operabilidade de Perigos (HAZOP) Técnicas de Avaliação de Riscos / Análise de Árvore de Falhas (AAF) Série de Risco (SR) / Análise de Árvore de Eventos (AAE) / Análise por Diagrama de Blocos (ADB) / Análise de Causas e Conseqüências (ACC) - O quê é? Importância? Como implementar? Registros e Planilhas mais importantes Responsabilidade pelo produto e/ou serviço numa organização Responsabilidade e Qualidade do Produto e/ou Serviço Responsabilidade cível pelo produto e/ou serviço / Responsabilidade criminal Tipos de danos e responsabilidade pelo fato do produto e/ou serviço Responsabilidade ambiental pelo produto e/ou serviço Avaliação de danos de um sistema: recursos humanos, materiais e operacionais, controle de danos e controle total de perdas Sistema de avaliação de perdas: Conceitos importantes / Circunstâncias que levam às perdas / -Avaliação de perdas em organizações ou sistemas Ausentismo: Paralisação de Equipamentos Sistemas de Controle de Danos / Controle de Perdas Metodologia para análise de custo de acidentes / dados estatísticos Custos Quantificáveis e Não-quantificáveis Fator previdenciário / custos com insalubridade e periculosidade Custo de acidente de trabalho x investimento em segurança / métodos de cálculo Método de Heinrich para o cálculo dos custos dos acidentes : Método de Simonds para o cálculo dos custos dos acidentes / Método de Bird para o cálculo dos custos dos acidentes / Método de Pharm para o cálculo dos custos indiretos dos acidentes / Método de Manuel Bestratén Bellovi para o cálculo dos custos dos acidentes / Método desenvolvido pelo Health & Safety Executive (HSE) para o cálculo dos custos dos acidentes / Método da FUNDACENTRO Modelo da ficha para cálculo do custo de acidentes Programa de prevenção e controle de perdas Programa de controle de acidentes com danos à propriedade / Benefícios do Programa Programa de prevenção e controle de perdas / Elementos Básicos de um Programa de Prevenção de Perdas / Estrutura de um Programa de Prevenção de Perdas / Implementação de um Programa de Controle Total de Perdas Planos de Emergência: O quê é? Como elaborar? Plano de Contingência? O quê é? Importância? Como elaborar? Auditorias Internas e Externas de Riscos, Acidentes e Incidentes: Importância / Como elaborar as check list ou questionários / Como realizar / Consolidação de resultados / Como elaborar Planos de Ação e Monitorar a implementação - Norma QSP 31000:2010 Auditoria Baseada em Riscos - ABR: O quê é? Os 3 Estágios da implementação Perfis e Qualificação de profissionais capazes de realizar as auditorias Interação do Gerenciamento da Prevenção e Análise de Riscos com as Normas ISO 9001 e ISO 14001 (Lembrar que o curso é de SGI, ou seja, integração das Normas ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001, como módulos-chave do curso) Indicadores de Desempenho para o Gerenciamento da Prevenção e Análise de Riscos: Taxas de Frequência e de Gravidade, fórmulas, interpretação de resultados, outros indicadores APR, PPRA e PCMSO: o quê é? Importância ? A quem compete executar? Como implementar e monitorar? Planilhas e registros mais importantes / Outros documentos da área de Segurança, Prevenção, Análise de Riscos e Acidentes

    6 - GESTÃO DE RESÍDUOS, DE EFLUENTES, DE EMISSÕES E DE IMPACTOS PERTINENTES

    Efluentes: Conceitos e definições ; Legislação ambiental pertinente - Atenção para a Licença Operacional do INEA ; Parâmetros físicos; Parâmetros químicos; Parâmetros físico-químicos; Parâmetros biológicos; Noções de tratamento de efluentes; Tratamento primário, secundário e terciário; Circuitos típicos de tratamento de efluentes; Sistemas compactos de tratamento de efluentes industriais: como dimensionar em função das vazões (tabelado para sistemas compactos), aonde comprar; Controle da Qualidade na saída / Quais análises são exigidas por lei (INEA, por exemplo) / Limites de especificação para jogar água que saí de tratamentos de efluentes em rios, riachos, esgotos, etc; Aonde realizar essas análises, quando a empresa não possui laboratório? Como proceder? Gestão de Resíduos e Emissões; Introdução geral. Apresentação da disciplina. Noção de resíduos/definições. Gerenciamento de resíduos sólidos urbanos. Limpeza Urbana. Aspectos institucionais e administrativos. Aspectos de valorização dos resíduos urbanos. Definições. Objetivos da recuperação de materiais. Técnicas de recuperação: Aterro Sanitário. Definições. Estudo de impacto: metodologia. Diferentes tipos de aterro. Incineração Compostagem. Resíduos sólidos hospitalares. Legislação em vigor. Principais categorias de resíduos. Poluição Atmosférica e impactos ambientais; Origem das emissões atmosféricas. Caracterização e classificação. Parâmetros de avaliação. Transporte e dispersão de poluentes, princípios biológicos, físicos e químicos de tratamentos de ar. Chuva ácida. Sistemas de tratamento de emissões atmosféricas. Equipamentos de amostragem, monitoramento e controle da qualidade do ar. Aplicações de ferramentas e sistemas de controle. Legislação aplicada. Gerenciamento de áreas impactadas : Introdução geral sobre Gerenciamento de Áreas Contaminadas. - Etapas do Gerenciamento. Metodologia de Gerenciamento Adotada pela CETESB. Introdução Geral. Etapas do Gerenciamento: Avaliação Preliminar; Investigação Confirmatória; Investigação Detalhada; Avaliação e Gerenciamento do Risco; Remediação. Metodologia de Gerenciamento: Procedimento para todas as fontes de contaminação, Procedimento; Cadastro de áreas contaminadas; Áreas contaminadas críticas.

    7 - GESTÃO DO CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

    Conceito e delimitação da sociedade do conhecimento e da Sociedade; Explicação da competitividade baseada no conhecimento; Relacionamento da inteligência com a gestão do conhecimento; Histórico da Gestão do conhecimento e principais conceitos; Definição de Capital Intelectual; Definição de propriedade intelectual; Conceitos relacionados à inovação; Apresentação dos atores do processo de inovação e o contexto em que atuam; Principais habitats de inovação, entendidos como ambientes de incentivo às atividades de inovação. Disciplina desenvolvida na Secretaria Virtual.

    8 - LEGISLAÇÕES E NORMAS REGULAMENTADORAS APLICÁVEIS A SEG.DO TRAB.,A MEIO AMB.E RESP.SOCIAL

    Evolução histórica da Segurança do Trabalho; Grandes Acidentes Industriais; Histórico da Segurança do Trabalho no Brasil; Responsabilidades Institucionais: Ministério do Trabalho e Emprego; Fundacentro; Previdência Social; Associação Brasileira de Normas Técnicas; Legislação em Segurança do Trabalho: Constituição Federal; Consolidação das Leis Trabalhistas; Normas Regulamentadoras; Convenções da Organização Internacional do Trabalho; Legislação Previdenciária ( Benefícios, Seguro de Acidente do Trabalho, Fator Acidentário Previdenciário, Perfil Profissiográfico Previdenciário, Ações Regressivas, Laudo Técnico). Acidente de Trabalho: conceitos, tipos, comunicação de acidente, incidentes e desvios.

    9 - METODOLOGIA DA PESQUISA E MONOGRAFIA

    Métodos de estudo: fichamento, resenha, organização do trabalho científico. Referências bibliográficas. Métodos e técnicas de pesquisa. Projeto de pesquisa. Monografia. Elementos metodológicos da monografia. Uniformização redacional. Disciplina desenvolvida na Secretaria Virtual.

    10 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - NBR ISO 9001

    Família da série ISO 9000; O que é a NBR ISO 9001, quando foi estruturada, ciclos de revisão, órgão revisor e emissor de novas versões, no Brasil e no mundo; órgão acreditador; Papel da ABNT no Brasil; Participação da ABNT, INMETRO e empresas convidadas, nos Comitês Internacionais de revisão e atualização das Normas ISO; Normas disponíveis e vendidas; Evolução dos requisitos e estruturação das Normas da Série ISO através dos anos: versões 2000 e 2008 - diferenças; aproximação com os fundamentos da Qualidade Total; Informação de sites que discutem aspectos da ISO 9001 de forma aberta para todos: Blog ISO Fácil, etc; Fazer implementação via ON LINE ou via IN COMPANY? Quais as diferenças, vantagens e desvantagens? ; Apresentação geral da NBR ISO 9001:2008 - versão atual: interpretação e entendimento dos requisitos gerais; Triângulo dos documentos do Sistema de Gestão da Qualidade: equivalência com os do SGI; Destaque para os verbos utilizados: DEVE e PODE - mostrar exemplos dentro da Norma - influência no nº de Procedimentos Normativos e Procedimentos Operacionais; Utilização do conceito do PDCA na ISO 9001 e demais Normas: como aplicar?; Restrições que ainda faltam na NBR ISO 9001 (e nas demais Normas), para que se torne, de fato, um mecanismo de “gestão empresarial” respeitável e amplamente aplicado; Dificuldades e restrições à aplicação da NBR ISO 9001, para produtos e serviços: porque empresários, gerentes, insistem em dizer que essas Normas geram burocracia e em nada melhoram os processos e resultados das empresas?; Mostrar a evolução do número de empresas certificadas pelo mundo, também no Brasil, por tipo de Norma; possíveis razões para quedas e manutenção de níveis (não crescimento), de 2008 em diante Apresentação dos requisitos de implementação nas organizações Interpretação de todos os itens da NBR ISO 9001:2008, com exemplos, material disponibilizado para todos, evidenciando o que uma empresa tem que preparar para implementar, fazer acontecer, cada requisito, com documentos, práticas e registros Como e por que excluir itens de preparação do escopo da certificação (forma correta de justificar a exclusão no Manual da Qualidade) Como escrever sobre o atendimento de requisitos para organizações de produto e de serviço: adaptações nos documentos principais (Manual da Qualidade, Procedimentos Normativos e Procedimentos Operacionais); Equivalência entre os requisitos das Normas 9001, 14001 e OHSAS 18001: prática para os alunos. Como definir o escopo da certificação. Experiências do professor sobre empresas preparadas e certificadas na NBR ISO 9001, por diversos Organismos Credenciados de Certificação (OCC) - problemas mais comuns

    11 - SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA DO TRABALHO E DA SAÚDE OCUPACIONAL

    Impactos da inexistência de uma cultura empresarial voltada a segurança do trabalho no mundo/ slides, vídeos; Estatísticas dos acidentes de trabalho nas empresas / setores campeões / comparações com países desenvolvidos; Perdas monetárias e de vidas, com acidentes do trabalho / impacto no moral das equipes; Evolução dessa cultura no Brasil / empresas que mais exigem certificações de seus fornecedores, prestadores de serviços / terceirizados (cadastros - Petrobras., Gerdau, CSA, por exemplo); Relação da Segurança do Trabalho e da Saúde Ocupacional; Aparecimento da OHSAS 18001: em inglês, inicialmente, depois traduzida: validades - qual usar?; Qual organismo no mundo controla as versões dessa Norma? Como pode-se sempre obter a versão mais atual? E no Brasil? Aonde adquirir?; O que significa a OHSAS 18001: 2007?; Interpretação dos primeiros itens de apresentação da Norma; Apresentação dos itens completos da Norma; Interpretação item a item de toda a Norma, evidenciando COMO uma empresa DEVE (o que ela tem que fazer) para atender cada um deles, com documentos (Procedimentos), como excluir, se não aplicável; Atendimento de itens que exigem procedimentos documentados, onde há o verbo DEVE elaborar um procedimento documentado para....;Registros principais que uma empresa DEVE gerar e implementar, para fazer acontecer uma cultura da segurança e da saúde ocupacional numa organização (por exemplo, registro de acidentes, etc); Integração dos itens da OHSAS 18001:2007 com as Normas ISO 9001 e ISO 14001 - sempre atentar para o fato de que o curso trata de SGI, ou seja, integração dessas 3 Normas - mostrar quadro de correlação dos itens das 3 Normas, para que se evite elaboração duplicada de procedimentos (Por exemplo, a Política da Qualidade, Meio Ambiente, Segurança e Saúde Ocupacional); Apresentação das NR´s (35) que apóiam a Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional - prática: alunos devem pesquisar e conhecer essas NR´s, e do quê tratam. Citação de outras Legislações, em nível Federal, Estadual e Municipal, que, eventualmente, apóiam a OHSAS 18001; Papel do Engenheiro da Segurança do Trabalho e do Técnico da Segurança do Trabalho, dentro da implementação da OHSAS 18001 e de um SGI: como atuam, papéis, rotinas, documentos que devem gerar nessas rotinas; Como atender as exigências regulamentadoras: mostrar isso na NR pertinente (quadro de nº de funcionários x EST x TST x Enfermeiros x Médicos x Instalações de Atendimento); Como calcular as Taxas de Frequência e de Gravidade de Acidentes, pelas fórmulas universais - interpretação dos resultados / comparações com metas - Planilha Excel para cálculo

    12 - SISTEMA DE GESTÃO DE ASPECTOS AMBIENTAIS

    Sustentabilidade e desenvolvimento; Evolução do pensamento ambientalista; Política Nacional de Meio Ambiente; Normatização: o que é? Premissas básicas; Sistema de Gestão Ambiental - SGA; Série ISO 14000 - nomenclatura da ABNT; NBR ISO 14001:2004 - Apresentação dos requisitos de implementação nas organizações; Interpretação de todos os itens da NBR ISO 14001:2004, com exemplos, material disponibilizado para todos, evidenciando o que uma empresa tem que preparar para implementar, fazer acontecer, cada requisito, com documentos, práticas e registros Como e por que excluir itens de preparação do escopo da certificação (forma correta de justificar a exclusão no Manual da Qualidade) Como escrever sobre o atendimento de requisitos para organizações de produto e de serviço: adaptações nos documentos principais (Manual da Qualidade, Procedimentos Normativos e Procedimentos Operacionais); Como atender requisitos regulamentares, Federais, Estaduais e Municipais, através de procedimentos normativos Destaque para os verbos utilizados: DEVE e PODE - mostrar exemplos dentro da Norma influência no nº de Procedimentos Normativos e Procedimentos Operacionais Utilização do conceito do PDCA na ISO 14001: como aplicar? Equivalência entre os requisitos das Normas 9001 e OHSAS 18001 Como definir o escopo da certificação Experiências do professor sobre empresas preparadas e certificadas na NBR ISO 14001, por diversos Organismos Credenciados de Certificação (OCC) - problemas mais comuns.

    • CENTRO 4ª NOITE
      Valor: 13 x 310,00
      Início: 29/08/2020
      Inscrições: Abertas
      NITERÓI 5ª NOITE
      Valor: 13 x 310,00
      Início: 29/08/2020
      Inscrições: Abertas

      Faça a Pré-Matrícula desse curso

Aulas 1x na Semana

Segunda a Sábado | Manhã: De 8h às 12h | Tarde: De 13h às 17h | Noite: De 18h30 às 22h30

Acesse as Unidades

Manual do Aluno

 Manual do Aluno - Pós-Graduação Presencial e MBA
 Manual do Aluno - DFM

Documentos necessários para inscrição

Xerox autenticada do diploma ou Certidão de graduação
Xerox do histórico da graduação
Xerox da identidade
Xerox do CPF
Comprovante de residência (Xerox ou Original no nome do aluno)
1 foto 3x4 atual

* Na Falta temporária de alguns documentos, a inscrição poderá ser efetuada condicionalmente.
** Consulte nossos programas de Complementação para ex-alunos.
*** O conjunto de disciplinas oferecidas poderá ser modificado pela Coordenação, sem prejuízo da carga horária total do curso.