BUSCAR NO SITE:  
UCAM AVM

Pós-Graduação Presencial

MBA EM GESTÃO DE SISTEMAS INTEGRADOS EM QSMS/SGI - VER DISCIPLINAS
Aguarde o carregamento do vídeo
 Unidade Turno Início Valor (R$) Inscrições Próx. Turma Pré-inscrição
CENTRO 6ª NOITE 23/02/2019 13x310,00 Abertas   PREENCHER FICHA
NITERÓI 5ª NOITE 23/02/2019 13x310,00 Abertas   PREENCHER FICHA



Objetivo

Capacitar profissionais de qualquer formação acadêmica para fazer a gestão da estruturação, da implementação, da manutenção e da otimização das funções de qualidades, segurança, meio ambiente, saúde ocupacional e responsabilidade social, para quaisquer tipos de naturezas de organizações. Basear a gestão da estruturação, da implementação, da manutenção e da otimização das funções de qualidades, seguranças, meio ambiente, saúde ocupacional e responsabilidade social, nas Normas NBR ISSO 9001:2008, NBR ISSO 1400:2004, OHSAS 18001:2007 e AS 800:2008. Aumentar o nível de empregabilidade de profissionais que desejam procurar novas oportunidades no mercado.
 

Disciplinas

1 - ASPECTOS HUMANOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE QSMS/SGI

Abrangência do conceito; Organização Humanizada; Fatores Humanos de Liderança, Competência e Participação das Pessoas, baseados na ISO 10018 (em construção); Prática em Gestão de Pessoas; Comunicação. Clima Organizacional

2 - ASPECTOS RELEVANTES DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SGI

Decisão da implantação do SGI; Nomeação do G-SGI; Instalações do SGI; Quais Normas implantar? Análise de custo-benefício, restrições, dificuldades; Etapas da estruturação e certificação do SGI - prática de grupo; Coordenação da elaboração das Informações Documentadas do SGI; Coordenação das auditorias; Custos da implementação de um SGI x Benefícios; Estruturação dos Indicadores de Desempenho do SGI; Objetivos e metas do SGI: desdobramento em Planos de Ação para todas as gerências; Análise da evolução de desempenho: Gestão do SGI; Como vender a implementação de um SGI? Estratégias; Prática: Agrupar itens de preparação para um SGI; Prática: Evidenciar perdas internas e externas devidas à inexistência de um SGI.

3 - AUDITORIA INTERNA E REUNIÃO DE ANÁLISE CRÍTICA

O que é / não é auditoria; Requisito da ISO 9001 e da ISO 14001; Diferenças da auditoria de um SGQ e de um QSMS/SGI (abrangência, etc); Importância e objetivos de uma auditoria para SGQ e SGI; Tipologia das auditorias; Norma ISO 19011:2012 - Auditorias; Atributos pessoais dos auditores; Auditores próprios x contratados; Programa de auditorias: escopo, objetivos, frequência, exemplo; Planejamento auditorias; Como o auditor deve atuar: o que pode/não pode fazer; Temor / medo criado pelas auditorias; Importância do auditor bem preparado no objetivo de encontrar NC´s relevantes que sirvam para o fortalecimento do SGQ da empresa auditada, melhoria dos processos e dos resultados; Banalização e difamação de Sistemas de Gestão baseados nas Normas ISO 9001, ISO 14001, OHSAS 18001, etc, devido auditorias que nada identificam, nada agregam de valor para empresa, causando mal-estar na direção, sabedora de inúmeros problemas, diariamente - muitos dizem: “ISO 9001 não serve para nada”; Que culpa recai sobre essas Normas, suas auditorias, RAC´s, se houver indisciplina quanto ao cumprimento de práticas e procedimentos nas empresas, se houve by-pass de gerentes, de funções, de atribuições?? Nenhuma! Não-conformidades: quando aplicar/não aplicar; como evidenciar; como relatar; Classificação das NC´s; Dicas para os auditados; Certificação: processo e custos; Reunião de Análise Crítica: Definição e finalidade; Relação com o ciclo PDCA Requisito da ISO 9001, da ISO 14001 e da OHSAS 18001; Mitos e verdade sobre auditorias e reunião de análise crítica; Atribuição e utilidade; Participantes; Entradas; Processo de análise; Saídas; Planos de Ação;

4 - DOCUMENTAÇÃO DE QSMS/SGI:ELABORAÇÃO DE PROCEDIMENTOS

Apresentação do módulo; Introdução sobre o que é um Sistema de Gestão ? Sistemas de gestão: ISO 9001 / ISO 14001/ OHSAS 18001; O que é um SGI - Reforço da conceituação visando definição dos documentos principais; Finalidade da integração dos Sistemas; Quantas Normas podem fazer parte de um SGI? O que é um Manual do SGI; Analogia com o Manual do SGQ Estrutura do Manual; Elaboração do Manual; Cuidados com o escopo, com a eliminação de itens, com a forma de escrever / atender aos itens das Normas (são 3, as básicas de um SGI); Limitações do nº de folhas, para não ficar extenso demais, mesmo para 3 Normas. Como incluir todos os principais itens da 9001, 14001 e da OHSAS 18001, sem haver repetições. Correlação das normas dentro do Manual - Quadro de correlação dos itens das 3 principais Normas, visando elaboração do MSGI e demais documentos. Apresentação dos principais PGs, em função das exigências das 3 Normas, aonde existe o verbo DEVE para procedimentos documentados Exemplificação de PGs e POs; principais itens, índice ou sumário, formatação adequada, links com o MSGI (Falar do link com a Lista Mestra de Documentos, Internos e Externos) Elaboração de PGs, POs e ITs; detalhes importantes na elaboração e no controle desses documentos, pelos RD´s, visando não ocorrência de Não Conformidades nas auditorias - citar exemplos de NC´s que mais ocorrem Papel do RD no controle da documentação do SGI - importância do PG sobre Controle de Documentos (Normalmente, o primeiro deles), que define toda a engenharia da documentação. Apresentação item a item. Papel do RD na disponibilização dessa documentação para todos, em articulação com a TI, na atualização, após auditorias e melhorias; Controle de cópias, de documentos vigentes, obsoletos e cancelados: como fazer cada um? Atentar para o quê diz o PG de Controle de Documentos e Registros (lembrar dos 6 verbos, praticados nos finais dos PG´s e PO´s e/ou na Lista Mestra de Documentos)

5 - GERENCIAMENTO DA PREVENÇÃO E ANÁLISE DE RISCOS E DA INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES E INCIDENTES.

Evolução histórica: Da prevenção de lesões à segurança de sistemas; Conceituações básicas; Risco, Potencial de Risco; Acidente; Incidente / Quase acidente; Perigo, etc; Relação da Norma OHSAS 18001:2007 e o Gerenciamento da Prevenção e Análise de Riscos: Itens pertinentes / Introdução à ISO 39000: 2009; Gerenciamento da Prevenção e Análise de Risco: O quê é? Do que trata? A empresa como um sistema, subsistemas empresariais. Natureza dos riscos empresariais, riscos puros e especulativos, outras classificações; Mapeamento de riscos: O quê é? Importância? Como é feito? Importância dos fundamentos estatísticos para a análise de riscos / conceitos de probabilidade e confiabilidade, sob a ótica estatística, para aplicação à segurança do trabalho - exemplos / práticas Tipos de Falhas Avaliação de riscos - Análise Preliminar de Risco - O quê é ? Importância? Como fazer? Registros (planilhas) utilizados para execução - Normas pertinentes: ISO/TEC 3010:2009 / QSP 31000/2010 Análise do Modo de Falha: O quê? Como fazer? Importância? Registros (planilhas) utilizados para execução / Análise de Árvore de Falha Análise de Modos de Falha e Efeitos (AMFE) ou Failure Modes and Effects Analysis (FMEA) Técnicas para Identificação de Perigo / Técnica de Incidentes Críticos (TIC) / Análise e Revisão de Critérios (ARC) Técnicas de Análise de Riscos Análise Preliminar de Riscos (APR) ou Análise Preliminar de Perigos (APP) ou Preliminary Hazard Analysis (PHA): O quê é? Importância? Como estruturar e implementar? Registros ou planilhas necessárias? Análise de Operabilidade de Perigos (HAZOP) Técnicas de Avaliação de Riscos / Análise de Árvore de Falhas (AAF) Série de Risco (SR) / Análise de Árvore de Eventos (AAE) / Análise por Diagrama de Blocos (ADB) / Análise de Causas e Conseqüências (ACC) - O quê é? Importância? Como implementar? Registros e Planilhas mais importantes Responsabilidade pelo produto e/ou serviço numa organização Responsabilidade e Qualidade do Produto e/ou Serviço Responsabilidade cível pelo produto e/ou serviço / Responsabilidade criminal Tipos de danos e responsabilidade pelo fato do produto e/ou serviço Responsabilidade ambiental pelo produto e/ou serviço Avaliação de danos de um sistema: recursos humanos, materiais e operacionais, controle de danos e controle total de perdas Sistema de avaliação de perdas: Conceitos importantes / Circunstâncias que levam às perdas / -Avaliação de perdas em organizações ou sistemas Ausentismo: Paralisação de Equipamentos Sistemas de Controle de Danos / Controle de Perdas Metodologia para análise de custo de acidentes / dados estatísticos Custos Quantificáveis e Não-quantificáveis Fator previdenciário / custos com insalubridade e periculosidade Custo de acidente de trabalho x investimento em segurança / métodos de cálculo Método de Heinrich para o cálculo dos custos dos acidentes : Método de Simonds para o cálculo dos custos dos acidentes / Método de Bird para o cálculo dos custos dos acidentes / Método de Pharm para o cálculo dos custos indiretos dos acidentes / Método de Manuel Bestratén Bellovi para o cálculo dos custos dos acidentes / Método desenvolvido pelo Health & Safety Executive (HSE) para o cálculo dos custos dos acidentes / Método da FUNDACENTRO Modelo da ficha para cálculo do custo de acidentes Programa de prevenção e controle de perdas Programa de controle de acidentes com danos à propriedade / Benefícios do Programa Programa de prevenção e controle de perdas / Elementos Básicos de um Programa de Prevenção de Perdas / Estrutura de um Programa de Prevenção de Perdas / Implementação de um Programa de Controle Total de Perdas Planos de Emergência: O quê é? Como elaborar? Plano de Contingência? O quê é? Importância? Como elaborar? Auditorias Internas e Externas de Riscos, Acidentes e Incidentes: Importância / Como elaborar as check list ou questionários / Como realizar / Consolidação de resultados / Como elaborar Planos de Ação e Monitorar a implementação - Norma QSP 31000:2010 Auditoria Baseada em Riscos - ABR: O quê é? Os 3 Estágios da implementação Perfis e Qualificação de profissionais capazes de realizar as auditorias Interação do Gerenciamento da Prevenção e Análise de Riscos com as Normas ISO 9001 e ISO 14001 (Lembrar que o curso é de SGI, ou seja, integração das Normas ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001, como módulos-chave do curso) Indicadores de Desempenho para o Gerenciamento da Prevenção e Análise de Riscos: Taxas de Frequência e de Gravidade, fórmulas, interpretação de resultados, outros indicadores APR, PPRA e PCMSO: o quê é? Importância ? A quem compete executar? Como implementar e monitorar? Planilhas e registros mais importantes / Outros documentos da área de Segurança, Prevenção, Análise de Riscos e Acidentes

6 - GESTÃO DE RESÍDUOS, DE EFLUENTES, DE EMISSÕES E DE IMPACTOS PERTINENTES

Efluentes: Conceitos e definições ; Legislação ambiental pertinente - Atenção para a Licença Operacional do INEA ; Parâmetros físicos; Parâmetros químicos; Parâmetros físico-químicos; Parâmetros biológicos; Noções de tratamento de efluentes; Tratamento primário, secundário e terciário; Circuitos típicos de tratamento de efluentes; Sistemas compactos de tratamento de efluentes industriais: como dimensionar em função das vazões (tabelado para sistemas compactos), aonde comprar; Controle da Qualidade na saída / Quais análises são exigidas por lei (INEA, por exemplo) / Limites de especificação para jogar água que saí de tratamentos de efluentes em rios, riachos, esgotos, etc; Aonde realizar essas análises, quando a empresa não possui laboratório? Como proceder? Gestão de Resíduos e Emissões; Introdução geral. Apresentação da disciplina. Noção de resíduos/definições. Gerenciamento de resíduos sólidos urbanos. Limpeza Urbana. Aspectos institucionais e administrativos. Aspectos de valorização dos resíduos urbanos. Definições. Objetivos da recuperação de materiais. Técnicas de recuperação: Aterro Sanitário. Definições. Estudo de impacto: metodologia. Diferentes tipos de aterro. Incineração Compostagem. Resíduos sólidos hospitalares. Legislação em vigor. Principais categorias de resíduos. Poluição Atmosférica e impactos ambientais; Origem das emissões atmosféricas. Caracterização e classificação. Parâmetros de avaliação. Transporte e dispersão de poluentes, princípios biológicos, físicos e químicos de tratamentos de ar. Chuva ácida. Sistemas de tratamento de emissões atmosféricas. Equipamentos de amostragem, monitoramento e controle da qualidade do ar. Aplicações de ferramentas e sistemas de controle. Legislação aplicada. Gerenciamento de áreas impactadas : Introdução geral sobre Gerenciamento de Áreas Contaminadas. - Etapas do Gerenciamento. Metodologia de Gerenciamento Adotada pela CETESB. Introdução Geral. Etapas do Gerenciamento: Avaliação Preliminar; Investigação Confirmatória; Investigação Detalhada; Avaliação e Gerenciamento do Risco; Remediação. Metodologia de Gerenciamento: Procedimento para todas as fontes de contaminação, Procedimento; Cadastro de áreas contaminadas; Áreas contaminadas críticas.

7 - GESTÃO DO CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

Conceito e delimitação da sociedade do conhecimento e da Sociedade; Explicação da competitividade baseada no conhecimento; Relacionamento da inteligência com a gestão do conhecimento; Histórico da Gestão do conhecimento e principais conceitos; Definição de Capital Intelectual; Definição de propriedade intelectual; Conceitos relacionados à inovação; Apresentação dos atores do processo de inovação e o contexto em que atuam; Principais habitats de inovação, entendidos como ambientes de incentivo às atividades de inovação. Disciplina desenvolvida na Secretaria Virtual.

8 - LEGISLAÇÕES E NORMAS REGULAMENTADORAS APLICÁVEIS A SEG.DO TRAB.,A MEIO AMB.E RESP.SOCIAL

Evolução histórica da Segurança do Trabalho; Grandes Acidentes Industriais; Histórico da Segurança do Trabalho no Brasil; Responsabilidades Institucionais: Ministério do Trabalho e Emprego; Fundacentro; Previdência Social; Associação Brasileira de Normas Técnicas; Legislação em Segurança do Trabalho: Constituição Federal; Consolidação das Leis Trabalhistas; Normas Regulamentadoras; Convenções da Organização Internacional do Trabalho; Legislação Previdenciária ( Benefícios, Seguro de Acidente do Trabalho, Fator Acidentário Previdenciário, Perfil Profissiográfico Previdenciário, Ações Regressivas, Laudo Técnico). Acidente de Trabalho: conceitos, tipos, comunicação de acidente, incidentes e desvios.

9 - METODOLOGIA DA PESQUISA E MONOGRAFIA

Métodos de estudo: fichamento, resenha, organização do trabalho científico. Referências bibliográficas. Métodos e técnicas de pesquisa. Projeto de pesquisa. Monografia. Elementos metodológicos da monografia. Uniformização redacional. Disciplina desenvolvida na Secretaria Virtual.

10 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - NBR ISO 9001

Família da série ISO 9000; O que é a NBR ISO 9001, quando foi estruturada, ciclos de revisão, órgão revisor e emissor de novas versões, no Brasil e no mundo; órgão acreditador; Papel da ABNT no Brasil; Participação da ABNT, INMETRO e empresas convidadas, nos Comitês Internacionais de revisão e atualização das Normas ISO; Normas disponíveis e vendidas; Evolução dos requisitos e estruturação das Normas da Série ISO através dos anos: versões 2000 e 2008 - diferenças; aproximação com os fundamentos da Qualidade Total; Informação de sites que discutem aspectos da ISO 9001 de forma aberta para todos: Blog ISO Fácil, etc; Fazer implementação via ON LINE ou via IN COMPANY? Quais as diferenças, vantagens e desvantagens? ; Apresentação geral da NBR ISO 9001:2008 - versão atual: interpretação e entendimento dos requisitos gerais; Triângulo dos documentos do Sistema de Gestão da Qualidade: equivalência com os do SGI; Destaque para os verbos utilizados: DEVE e PODE - mostrar exemplos dentro da Norma - influência no nº de Procedimentos Normativos e Procedimentos Operacionais; Utilização do conceito do PDCA na ISO 9001 e demais Normas: como aplicar?; Restrições que ainda faltam na NBR ISO 9001 (e nas demais Normas), para que se torne, de fato, um mecanismo de “gestão empresarial” respeitável e amplamente aplicado; Dificuldades e restrições à aplicação da NBR ISO 9001, para produtos e serviços: porque empresários, gerentes, insistem em dizer que essas Normas geram burocracia e em nada melhoram os processos e resultados das empresas?; Mostrar a evolução do número de empresas certificadas pelo mundo, também no Brasil, por tipo de Norma; possíveis razões para quedas e manutenção de níveis (não crescimento), de 2008 em diante Apresentação dos requisitos de implementação nas organizações Interpretação de todos os itens da NBR ISO 9001:2008, com exemplos, material disponibilizado para todos, evidenciando o que uma empresa tem que preparar para implementar, fazer acontecer, cada requisito, com documentos, práticas e registros Como e por que excluir itens de preparação do escopo da certificação (forma correta de justificar a exclusão no Manual da Qualidade) Como escrever sobre o atendimento de requisitos para organizações de produto e de serviço: adaptações nos documentos principais (Manual da Qualidade, Procedimentos Normativos e Procedimentos Operacionais); Equivalência entre os requisitos das Normas 9001, 14001 e OHSAS 18001: prática para os alunos. Como definir o escopo da certificação. Experiências do professor sobre empresas preparadas e certificadas na NBR ISO 9001, por diversos Organismos Credenciados de Certificação (OCC) - problemas mais comuns

11 - SISTEMA DE GESTÃO DA SEGURANÇA DO TRABALHO E DA SAÚDE OCUPACIONAL

Impactos da inexistência de uma cultura empresarial voltada a segurança do trabalho no mundo/ slides, vídeos; Estatísticas dos acidentes de trabalho nas empresas / setores campeões / comparações com países desenvolvidos; Perdas monetárias e de vidas, com acidentes do trabalho / impacto no moral das equipes; Evolução dessa cultura no Brasil / empresas que mais exigem certificações de seus fornecedores, prestadores de serviços / terceirizados (cadastros - Petrobras., Gerdau, CSA, por exemplo); Relação da Segurança do Trabalho e da Saúde Ocupacional; Aparecimento da OHSAS 18001: em inglês, inicialmente, depois traduzida: validades - qual usar?; Qual organismo no mundo controla as versões dessa Norma? Como pode-se sempre obter a versão mais atual? E no Brasil? Aonde adquirir?; O que significa a OHSAS 18001: 2007?; Interpretação dos primeiros itens de apresentação da Norma; Apresentação dos itens completos da Norma; Interpretação item a item de toda a Norma, evidenciando COMO uma empresa DEVE (o que ela tem que fazer) para atender cada um deles, com documentos (Procedimentos), como excluir, se não aplicável; Atendimento de itens que exigem procedimentos documentados, onde há o verbo DEVE elaborar um procedimento documentado para....;Registros principais que uma empresa DEVE gerar e implementar, para fazer acontecer uma cultura da segurança e da saúde ocupacional numa organização (por exemplo, registro de acidentes, etc); Integração dos itens da OHSAS 18001:2007 com as Normas ISO 9001 e ISO 14001 - sempre atentar para o fato de que o curso trata de SGI, ou seja, integração dessas 3 Normas - mostrar quadro de correlação dos itens das 3 Normas, para que se evite elaboração duplicada de procedimentos (Por exemplo, a Política da Qualidade, Meio Ambiente, Segurança e Saúde Ocupacional); Apresentação das NR´s (35) que apóiam a Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional - prática: alunos devem pesquisar e conhecer essas NR´s, e do quê tratam. Citação de outras Legislações, em nível Federal, Estadual e Municipal, que, eventualmente, apóiam a OHSAS 18001; Papel do Engenheiro da Segurança do Trabalho e do Técnico da Segurança do Trabalho, dentro da implementação da OHSAS 18001 e de um SGI: como atuam, papéis, rotinas, documentos que devem gerar nessas rotinas; Como atender as exigências regulamentadoras: mostrar isso na NR pertinente (quadro de nº de funcionários x EST x TST x Enfermeiros x Médicos x Instalações de Atendimento); Como calcular as Taxas de Frequência e de Gravidade de Acidentes, pelas fórmulas universais - interpretação dos resultados / comparações com metas - Planilha Excel para cálculo

12 - SISTEMA DE GESTÃO DE ASPECTOS AMBIENTAIS

Sustentabilidade e desenvolvimento; Evolução do pensamento ambientalista; Política Nacional de Meio Ambiente; Normatização: o que é? Premissas básicas; Sistema de Gestão Ambiental - SGA; Série ISO 14000 - nomenclatura da ABNT; NBR ISO 14001:2004 - Apresentação dos requisitos de implementação nas organizações; Interpretação de todos os itens da NBR ISO 14001:2004, com exemplos, material disponibilizado para todos, evidenciando o que uma empresa tem que preparar para implementar, fazer acontecer, cada requisito, com documentos, práticas e registros Como e por que excluir itens de preparação do escopo da certificação (forma correta de justificar a exclusão no Manual da Qualidade) Como escrever sobre o atendimento de requisitos para organizações de produto e de serviço: adaptações nos documentos principais (Manual da Qualidade, Procedimentos Normativos e Procedimentos Operacionais); Como atender requisitos regulamentares, Federais, Estaduais e Municipais, através de procedimentos normativos Destaque para os verbos utilizados: DEVE e PODE - mostrar exemplos dentro da Norma influência no nº de Procedimentos Normativos e Procedimentos Operacionais Utilização do conceito do PDCA na ISO 14001: como aplicar? Equivalência entre os requisitos das Normas 9001 e OHSAS 18001 Como definir o escopo da certificação Experiências do professor sobre empresas preparadas e certificadas na NBR ISO 14001, por diversos Organismos Credenciados de Certificação (OCC) - problemas mais comuns.


APENAS PARA ALUNOS COM GRADUAÇÃO.

AULAS 1 VEZ NA SEMANA :

  Exceto o curso EXCELÊNCIA NO DIREITO IMOBILIÁRIO que tem aula duas vezes na semana.

Segunda a Sábado | Manhã: De 8h às 12h | Tarde: De 13h às 17h | Noite: De 18h30 às 22h30

Acesse as Unidades

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INSCRIÇÃO:

Xerox autenticada do diploma ou Certidão de graduação
Xerox da identidade
Xerox do CPF
Comprovante de residência (Xerox  ou Original no nome do aluno)
1 foto 3x4 atual

* Na Falta temporária de alguns documentos, a inscrição poderá ser efetuada condicionalmente.
** Consulte nossos programas de Complementação para ex-alunos.

MANUAL DO ALUNO:

 Manual do Aluno - Pós-Graduação Presencial e MBA
 Manual do Aluno - DFM

Compartilhe:

 

©2018 - AVM - Todos os direitos reservados.
10/12/2018 - 06:41:12